Como os eleitores, dos países ricos, votaram para o Parlamento da UE

Nas eleições da União Europeia (UE), os eleitores votaram em duas dezenas de línguas em 27 países, com diferentes questões de campanha. Veja o que aconteceu em alguns países chaves nas eleições que ocorreram entre 6 e 9 de junho para um novo Parlamento Europeu.

França

Esta foi a maior surpresa da noite eleitoral em massa na Europa. O partido pró-negócios moderado do presidente Emmanuel Macron foi tão duramente derrotado pelo partido de extrema direita de Marine Le Pen na votação da UE, que ele convocou eleições legislativas antecipadas na França.

Impulsionado por suas ideias anti-imigração e nacionalistas, prevê-se que o partido Reunião Nacional de Le Pen conquiste a maioria dos 81 assentos da França no Parlamento Europeu – cerca de duas vezes mais que o Renascimento de Macron.

As eleições legislativas francesas são uma grande aposta para Macron e o seu partido, que corre o risco de perder mais apoio, enquanto o Reunião Nacional de Le Pen poderá ver a sua influência aumentar.

Muitos eleitores franceses aproveitaram as eleições na UE para expressar insatisfação com a gestão da economia, as regras agrícolas ou a segurança de Macron. O resultado atinge Macron enquanto ele tenta liderar os esforços em toda a Europa para defender a Ucrânia e impulsionar as próprias defesas e a indústria da UE.

O principal candidato ao Parlamento Europeu do Reunião Nacional, Jordan Bardella, promete limitar a livre circulação de migrantes dentro das fronteiras abertas da UE e reduzir as regras climáticas do bloco. O partido já não quer abandonar a UE e o euro, mas sim enfraquecê-los a partir de dentro.

À esquerda, o sofrido Partido Socialista francês surgiu atrás do candidato principal, Raphael Glucksmann, que quer uma política climática mais ambiciosa e proteções para as empresas e trabalhadores europeus.

Alemanha

O líder do país mais rico e poderoso da UE, a Alemanha, também sofreu um golpe. A impopular coligação governamental de centro-esquerda do chanceler Olaf Scholz perdeu gravemente para a oposição conservadora, que se beneficiou dos problemas dele. O bloco conservador manteve a sua posição como o partido alemão mais forte em Bruxelas, enquanto aguarda as eleições nacionais previstas para o outono (no hemisfério Norte) do próximo ano.

E a Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema direita, obteve bons ganhos, apesar de uma série de escândalos em torno dos seus dois principais candidatos à legislatura da UE. Isso é especialmente preocupante para muitos, dado o passado nazista da Alemanha.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, é membro da União Democrata Cristã, o partido dominante no bloco conservador bipartidário que obteve o maior número de votos.

As projeções mostraram que o apoio aos Social Democratas de centro-esquerda de Scholz era de 14%, o seu pior resultado pós-Segunda Guerra Mundial em uma votação nacional. Os Verdes da Alemanha, centrais para a política climática globalmente importante da UE, viram o apoio cair.

A Alemanha terá o maior número dos 720 assentos do novo Parlamento Europeu, com 96.

Hungria

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, viu mais uma vitória eleitoral – no entanto, um novo adversário alterou o seu controle sobre a política húngara.

Esperava-se que o partido Fidesz de Orbán obtivesse 43% dos votos, de acordo com estimativas do Parlamento da UE. Embora o Fidesz tenha obtido uma pluralidade de votos, perdeu quase 10 pontos em relação ao seu apoio nas últimas eleições da UE em 2019, e parecia prestes a perder dois assentos, o que foi amplamente visto como um referendo sobre a popularidade de Orbán.

Uma profunda crise econômica e uma recente série de escândalos envolvendo políticos do Fidesz abalaram o partido que se orgulha de defender os valores familiares e o conservadorismo cristão.

O desafiante Péter Magyar rompeu com o partido de Orbán em fevereiro e, em uma questão de meses, construiu o partido de oposição mais forte da Hungria. Esperava-se que esse partido, Respeito e Liberdade (TISZA), obtivesse 31% dos votos

Magyar ganhou destaque com acusações públicas de corrupção e má gestão dentro do governo de Orbán. O partido de Magyar apresentou-se como uma alternativa mais centrista ao tipo de populismo iliberal de Orbán.

Orbán classificou as eleições como uma luta existencial entre a guerra e a paz, dizendo aos eleitores que votar na sua oposição atrairia a Hungria diretamente para a guerra na Ucrânia e precipitaria um conflito armado global. Ele está no poder desde 2010.

Itália

O partido Irmãos da Itália, da primeira-ministra Giorgia Meloni, que tem raízes neofascistas, deverá mais do que duplicar o seu número de assentos no Parlamento Europeu desde as últimas eleições. E isso lhe dará novo poder para influenciar as políticas na UE.

Embora os eleitores tenham punido os líderes moderados na França e na Alemanha, eles deram ao partido de Meloni ainda mais apoio do que nas últimas eleições nacionais de 2022.

As suas políticas pró-Ucrânia e Israel provaram ser tranquilizadoras para os aliados centristas americanos e europeus, mas ela está liderando guerras culturais internas que preservam as suas credenciais de extrema direita.

O Partido Democrata, de oposição de centro-esquerda, ficou em segundo lugar, seguido por outro partido principal da oposição, o Movimento 5 Estrelas.

Na Itália, não se espera que a votação desestabilize o governo, mesmo que a vantagem de Meloni seja à custa dos seus parceiros na coligação governamental, a populista de direita anti-migrante Lega, liderada por Matteo Salvini, e a Forza Italia, de centro-direita, liderada pelo ministro das Relações Exteriores, Antonio Tajani.

A Itália tem 76 assentos no Parlamento Europeu.

Eslováquia

Um grupo liberal e pró-ocidental venceu as eleições da UE na Eslováquia, derrotando o partido do primeiro-ministro populista e pró-Rússia, Robert Fico, poucas semanas depois de ele sobreviver a uma tentativa de assassinato.

O ataque a Fico enviou ondas de choque por toda a nação de 5,4 milhões de habitantes e pareceu aumentar a participação eleitoral, que foi a mais baixa de todo o bloco em 2014 e 2019, mas atingiu um recorde de 34,4% no último domingo.

A tentativa de assassinato não ajudou o partido esquerdista Smer (Direção) de Fico, o principal parceiro da coligação governamental, a ganhar a votação. O Smer tem atacado o apoio da UE à Ucrânia, bem como outras políticas sobre imigração, mudanças climáticas e direitos LGBTQ+.

O Smer estava em uma disputa acirrada contra a principal oposição, a Eslováquia Progressista, que conquistou 27,8%, ou seis assentos no Parlamento da UE, de acordo com resultados provisórios. O Smer segue com 24,8%, ou cinco assentos. Um partido de oposição de extrema direita que quer a Eslováquia fora da OTAN, a República, terminou em terceiro lugar com 12,53% e terá dois assentos. / COM REPORTAGEM DA AP

https://www.estadao.com.br/internacional/parlamento-europeu-eleicao-uniao-europeia-ue-saiba-o-que-aconteceu-paises-importantes-franca-italia-alemanha-hungria-eslovaquia-nprei

Deixe um comentário