Secretário de Defesa dos EUA aponta que guerra com a China não é iminente e nem inevitável

O secretário de Defesa dos Estados UnidosLloyd Austin, afirmou em uma reunião com altos funcionários de segurança neste sábado, 1.º, que a guerra com a China não era iminente nem inevitável, apesar da rápida escalada das tensões na região do Pacífico, sublinhando a importância de um diálogo renovado entre ele e o seu homólogo chinês para evitar “erros de cálculo e mal-entendidos”.

Os comentários de Austin no fórum de defesa de Shangri-La, em Cingapura, ocorreram um dia depois de ele se reunir por mais de uma hora com o ministro da Defesa chinês, Dong Jun, o primeiro encontro presencial entre os oficiais de defesa desde que os contatos militares entre Pequim e Washington foram cortados, em 2022.

Nenhum dos lados cedeu em relação às suas posições de longa data sobre Taiwan – território que a China reivindica como seu e não descarta o uso da força para reunificar – e sobre as reivindicações abrangentes da China no Mar da China Meridional, que levaram a confrontos diretos entre a China e outras nações no região, principalmente as Filipinas.

Embora se recusasse a dar detalhes da conversa, Austin disse que o mais importante era que os dois estavam conversando novamente. “Enquanto estivermos conversando, seremos capazes de identificar as questões que são problemáticas e podemos evitar confusões e questionamentos. Você só pode fazer esse tipo de coisa se estiver falando.”

Tensões marítimas

Dirigindo-se ao mesmo fórum na noite de sexta-feira, 31, o presidente filipino, Ferdinand Marcos Jr., descreveu sem rodeios o que poderia estar em jogo, dizendo que se um filipino fosse morto durante conflitos marítimos com a China, isso poderia desencadear uma resposta do país asiático. “Isso seria muito próximo do que definimos como um ato de guerra e, portanto, responderíamos de acordo.”

No seu próprio discurso, Austin elogiou a forma como Marcos Jr. “falou de forma tão poderosa na noite passada sobre como as Filipinas estão defendendo os seus direitos soberanos e de acordo com o direito internacional”. Mas, quando pressionado mais tarde, ele não disse como os EUA poderiam reagir se um filipino fosse morto em um confronto com a China.

Austin apontou que o compromisso dos EUA com as Filipinas é “firme”, ao mesmo tempo que sublinhou novamente a importância do diálogo com a China.

“Há uma série de coisas que podem acontecer no mar ou no ar, reconhecemos isso”, disse ele. “Mas nosso objetivo é garantir que as coisas não saiam do controle desnecessariamente.”

Austin apontou que muitas dessas questões seriam melhor abordadas através de conversas, mas também garantiu que Washington continuará apoiando os países que se sintam ameaçados. “A guerra ou uma luta com a China não é iminente, na minha opinião, nem inevitável”, disse Austin. “Toda conversa não será uma conversa feliz, mas é importante que continuemos conversando uns com os outros. E é importante que continuemos a apoiar os nossos aliados e parceiros também nos seus interesses.”/AP

https://www.estadao.com.br/internacional/secretario-de-defesa-dos-eua-aponta-que-guerra-com-a-china-nao-e-iminente-e-nem-inevitavel

Deixe um comentário