Duas Europas se confrontam pela glória ou vergonha da guerra

THE NEW YORK TIMES – No passado, o presidente russo, Vladimir Putin, usou a celebração anual da vitória soviética sobre os nazistas em 1945 para consolidar a militarização constante da sociedade russa, exaltar os valores do patriotismo heroico e contrastar o espírito guerreiro da Rússia com o que ele vê como a decadência moral do Ocidente.

Este ano, sem dúvida, ele tenta conjurar a “vitória” da destruição indiscriminada que causou na Ucrânia. Ele tentará encontrar alguma justificativa para uma guerra que foi muito menos do que o esperado contra uma ameaça “nazista” apoiada pelo Ocidente em Kiev que ele inventou.

Ao fazê-lo, 9 de maio é marcado de outra forma na Europa Ocidental. O presidente francês, Emmanuel Macron, saudará o Dia da Europa em Berlim e Estrasburgo, sede do Parlamento Europeu, apresentando sua visão ambiciosa de uma União Europeia de 27 nações agora obrigada a ir além do mero peso econômico para se tornar uma potência mundial mais federal e mais forte.

“Será como uma tela dividida”, disse Nicole Bacharan, analista de política externa francesa. “Em uma tela, um magnífico desfile militar de Moscou, na outra, algo mais complicado e lento, mas talvez nós, na União Europeia, devêssemos comemorar não ter um ditador impondo a lei.”

Duas Europas agora se enfrentam em um continente onde, para a Rússia de Putin, a derrota da Alemanha nazista na “Grande Guerra Patriótica” consagra a sacralidade e a glória da guerra, enquanto em Paris e Berlim simboliza o imperativo da paz.

Expectativa

O confronto é entre as visões de mundo dos séculos 19 e 21, com potenciais consequências que o século 20 ilustrou em Verdun, Hiroshima e outros lugares. A guerra de Putin na Ucrânia demonstrou que o risco de grandes conflagrações não foi relegado ao passado.

Desde Alepo arrasada na Síria até Azovstal sitiada, a siderúrgica que é o último posto avançado de resistência nas ruínas da cidade de Mariupol, no leste da Ucrânia, sua mensagem tem sido consistente: a força militar é eficaz em mudar a realidade geoestratégica em favor da Rússia.

Europa sem fronteiras

Citando um provérbio russo, ele disse em 2014 que “para a comunidade, até a morte é bonita”, uma característica que explica o “heroísmo em massa do país em conflitos militares”. Ele contrastou “as verdades morais superiores” perseguidas pelo povo russo com a crença no Ocidente de que tudo o que importa é o sucesso econômico.

Isso, naturalmente, é interpretar mal o raciocínio da Europa e o longo compromisso com a integração, assumido não apenas para a busca da prosperidade, mas para garantir a paz ao fazê-lo.

Em 9 de maio de 1950, Robert Schuman, o ministro das Relações Exteriores da França, propôs fundir a produção de aço francesa e alemã para que “qualquer guerra entre a França e a Alemanha se tornasse não apenas impensável, mas materialmente impossível”. Assim foi a semente de uma Europa sem fronteiras com uma moeda única plantada e os suicídios repetitivos do continente terminaram.

É este aniversário que Macron reconhece nesta segunda-feira, em uma Europa onde os hinos ao derramamento de sangue são evitados.

Mas Putin, depois de 22 anos no poder que o levaram a um ressentimento latente com o Ocidente, está convencido de que o presidente francês, e toda a Europa, deveria estar reconhecendo outra coisa: o imenso sacrifício soviético, envolvendo a morte de 27 milhões de seus cidadãos, que salvou a Europa do nazismo.

“Nosso povo estava sozinho, sozinho no difícil, heroico e penoso caminho para a vitória” sobre o fascismo, disse ele no ano passado.

“Ele acredita que a Europa é ingrata e que, se a União Europeia foi construída, foi apenas através do sacrifício russo”, disse Michel Eltchaninoff, autor francês de Inside the Mind of Vladimir Putin (Dentro da mente de Vladimir Putin, na tradução livre). “E ele despreza totalmente a ideia de que o comércio possa trazer paz às nações.”

Isso, é claro, é precisamente o que é uma União Europeia de 450 milhões de cidadãos, com sua economia de mais de US$ 17 trilhões. Como alternativa, Putin ofereceu sua União Eurasiática a países como a Ucrânia, mas é difícil vender a Belarus como modelo se Berlim e Barcelona estiverem na mesa.

O magnetismo do sucesso democrático europeu, quaisquer que sejam suas falhas, parece mais ameaçador para Putin do que a Otan, porque desafia a cleptocracia autocrática que ele construiu em torno de uma teia de oligarcas a seu cargo.

Daí sua reação violenta à associação da Ucrânia com a União Europeia e seu horror à bandeira do bloco pendurada na fachada do Ministério das Relações Exteriores em Kiev, em 2014, depois que o país expulsou o presidente corrupto e bajulador de Putin, Viktor Yanukovych.

Humilhação soviética

Desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro, ficou claro que Putin não está apenas em guerra para restaurar o império de Moscou subjugando ou desmembrando a Ucrânia. Ele também está em guerra contra os Estados Unidos e seus aliados europeus que ele passou a considerar como agentes ateus cuja humilhação da Rússia na dissolução da União Soviética em 1991 nunca pode ser perdoada.

Esta guerra mais ampla promete ser longa, obrigando a Europa a restaurar pelo menos parte do foco militar que tem sido amplamente evitado nas mais de três décadas desde o fim da Guerra Fria.

“Todo o chamado bloco ocidental formado pelos Estados Unidos à sua própria imagem e semelhança é, em sua totalidade, o mesmo ‘império de mentiras’”, disse Putin em seu discurso anunciando uma guerra para “desnazificar ” Ucrânia, um estado com um líder judeu.

Em um ponto de seu longo governo, Putin estava preparado para reconhecer os crimes militares soviéticos. Como primeiro-ministro, ele visitou a Floresta Katyn em 2010 para lembrar o assassinato soviético de milhares de oficiais poloneses no início da 2ª Guerra.

Ele denunciou as “mentiras cínicas” que esconderam a verdade do massacre em Katyn e disse que “não havia justificativa para esses crimes” de um “regime totalitário”. “Devemos nos encontrar no meio do caminho, percebendo que é impossível viver apenas no passado”, disse Putin.

Mas na Europa, 12 anos depois, um compromisso “a meio caminho” entre o militarismo russo elevado à intensidade mística e quase religiosa e a “paz através da união” franco-alemã parece quase impensável.

Putin elevou Stalin mais uma vez ao status de herói. Longe de admitir qualquer um de seus crimes, em Katyn ou em qualquer outro lugar, ele reconstituiu o Exército Vermelho como o tecido conjuntivo da nova Rússia expansionista.

Todos os anos, no Dia da Vitória, cidadãos russos desfilam com fotografias de seus heroicos antepassados em um espetáculo conhecido como “o regimento imortal”. Na ocasião, Putin, cujo pai foi gravemente ferido na guerra, se juntou a eles. Desta vez, uma conexão direta está sendo estabelecida entre a guerra contra Adolf Hitler e a atual guerra contra os fictícios “nazistas” de Kiev.

Contra essa chama de nacionalismo militarista de uma potência nuclear, evocando o que o poeta polonês vencedor do Nobel Wisława Szymborska chamou de “magníficas bombas explodindo em alvoradas rosadas”, o que a pálida União Europeia tem para combater Putin? Que magnetismo tem seu 9 de maio?

A guerra na Ucrânia galvanizou a Europa. Em geral, vê com urgência a entrada da Ucrânia, Geórgia e Moldávia no bloco. Multiplicam-se os apelos para uma aceleração da tomada de decisões sobre política externa e de defesa. Mario Draghi, o primeiro-ministro italiano, pediu neste mês um “federalismo pragmático” na defesa e em outras áreas.

Federalismo, uma palavra associada à ideia de Estados Unidos da Europa, eventualmente sob algum tipo de governo federal, sugere um avanço rápido da unidade europeia de maneiras que pareciam impensáveis por muitos anos.

“Devemos superar esse princípio de unanimidade, que leva a uma lógica de vetos cruzados, e avançar para decisões tomadas por maioria qualificada”, disse Draghi, aludindo a um procedimento que permitiria a aprovação uma vez atingido um certo limite de apoio. Ele acrescentou: “Proteger a Ucrânia significa proteger a nós mesmos e ao projeto de segurança e democracia que construímos juntos ao longo de 70 anos”.

O governo de coalizão da Alemanha sob o chanceler Olaf Scholz apoia a votação majoritária na política de segurança e defesa, mas a França é mais hesitante.

A agressão russa mudou a Polônia para o apoio ao fortalecimento da união. A derrota imposta por Macron a Marine Le Pen, amiga nacionalista de Putin, na eleição presidencial do mês passado, isolou o líder iliberal húngaro, Viktor Orban, em sua conivência com a Rússia. A União Europeia, sempre queixosa, parece empenhada em mudanças transformadoras.

“É uma coincidência espetacular de datas”, disse Dominique Moïsi, cientista político francês, sobre 9 de maio. “O que é mais real? O poder russo e Mariupol destruídos, ou a vida europeia normal em Estrasburgo? Teremos de lutar como o diabo para detê-lo, como se nosso próprio futuro estivesse em jogo.”

Macron tem sido o principal proponente de uma Europa soberana, independente o suficiente para reivindicar autonomia estratégica e apoiada pelo fortalecimento do poder militar europeu ao lado e em coordenação com a Otan.

Parece certo que Macron usará o dia 9 de maio para elaborar essa visão e deixar claro o contraste entre o modelo de guerra de Putin e o ímã europeu da paz que Schuman colocou em movimento há 72 anos. Ao mesmo tempo, no entanto, Macron acredita que não há alternativa à negociação com Putin.

Há três anos, ele convidou Putin para a residência de verão presidencial em Brégancon e declarou que “a Rússia é europeia, muito profundamente, e acreditamos nesta Europa que se estende de Lisboa a Vladivostok”.

A guerra na Ucrânia abalou, se não desfez, essa ideia. “Macron sabe que a Ucrânia não pode resistir sem os Estados Unidos”, disse Moïsi. “Não se pode construir a Europa como uma potência sem a América porque irá perder metade dos europeus se tentar. A unidade do Ocidente é a chave para a unidade da Europa.”

O que quer que Putin declare neste 9 de maio, essa unidade provou ser eficaz em defender a Ucrânia e prejudicar a Rússia. O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd J. Austin, quer ver a Rússia permanentemente enfraquecida, “na medida em que não pode fazer o tipo de coisas que fez ao invadir a Ucrânia”. Isso não acontecerá da noite para o dia e traz riscos evidentes.

Em First Person (Primeira Pessoa, na tradução livre), a autobiografia que publicou há mais de 20 anos, Putin descreveu ter encurralado um rato em seu prédio de apartamentos em ruínas em São Petersburgo quando menino.

“Então, ele se virou e pulou em mim”, escreveu Putin. “Me surpreendeu e fiquei com muito medo. Ele me perseguiu, pulando escada abaixo”, antes que o menino que se tornaria presidente conseguisse bater a porta no rato. “Naquela escada eu entendi de uma vez por todas o que é ser encurralado”, escreveu Putin.

Se, como parece ser, a história do rato é qualquer indicação das convicções do homem que agora controla o arsenal nuclear da Rússia, então um ataque direto, até mesmo imprudente, é a resposta de Putin ao sentir-se encurralado.

https://www.estadao.com.br/internacional/duas-europas-se-confrontam-pela-gloria-ou-vergonha-da-guerra-leia-artigo/

Deixe um comentário