PlayStation desenha futuro para além do console e aposta em jogos ‘live service’

A Sony realizou na última semana duas apresentações que ajudam a desvendar um pouco do que a empresa vislumbra para o futuro da marca PlayStation, tanto a curto quanto a longo prazo.

A primeira, mais focada em negócios e direcionada a investidores, marcou a estreia dos co-CEOs Hermen Hulst (games e estúdios) e Hideaki Nishino (consoles e periféricos) para o público geral. Os dois dividem a função que foi de Jim Ryan, que se aposentou em março deste ano.

A segunda foi a transmissão online “State of Play”, que mostrou ao longo de pouco mais de 30 minutos os principais lançamentos da empresa para os próximos meses e alguns jogos que devem se destacar no PlayStation 5.

Consumidores de PC e mobile ganham mais atenção

Em busca de aumentar seu público consumidor de games, a Sony já vinha dando atenção especial a jogadores de outras plataformas, em especial no PC. Uma tendência que deve se ampliar no curto prazo.

Além de lançar periféricos e jogos antes exclusivos do seu console para computadores, a marca deve continuar a prática adotada em “Helldivers 2” e lançar seus games “live service” simultaneamente nas duas plataformas, segundo Hermen Hulst.

A data de lançamento de “God of War Ragnarök” para PC (19 de setembro), inclusive, foi um dos destaques da apresentação do último dia 30. No entanto, ao contrário do que especularam alguns fãs, a esperada versão de “Bloodborne” para computadores continua só como lenda.

Em iniciativa semelhante, a Sony também pretende ampliar sua participação em jogos para dispositivos móveis. Foi revelado, por exemplo, que o estúdio Neon Koi está desenvolvendo um título live service mobile. No entanto, os passos da Sony nesse novo território estão sendo bem calculados

“Estamos adotando [no mobile] uma abordagem mais ponderada em comparação com a agressividade que foi vista no PC. Isso porque o PC está mais próximo do núcleo do nosso desenvolvimento do que o celular”, justificou Hulst.

Mas o PlayStation 5 vai muito bem, obrigado

Quatro anos após seu lançamento, o PlayStation 5 já é a geração de consoles mais lucrativa da Sony, com cerca de US$ 10 bilhões (R$ 52,5 bilhões) em receita contra US$ 9 bilhões (R$ 47,5 bilhões) na geração anterior.

Segundo a empresa, apesar de não ter vendido tantas unidades quanto o PlayStation 4 mundialmente, os gastos na plataforma são significativamente maiores. Em média, cada usuário de PlayStation 4 rendeu US$ 580 (cerca de R$ 3000) extras para a Sony com o console, contra US$ 731 (cerca de R$ 3800) no PlayStation 5.

Curiosamente, a arrecadação com venda de jogos caiu 12%, mas essa diferença foi mais do que suplantada por um aumento de 176% na venda de conteúdos extras. O que nos leva para o próximo item…

Jogos “live service” ainda são a principal aposta

Os títulos “live service” tiveram destaque tanto na conversa com investidores quanto na apresentação sobre lançamento de jogos.

Para os executivos, a Sony destacou o trabalho da Bungie (da série “Destiny”) com seu próximo grande lançamento: “Marathon”, previsto para 2025. Além disso, destacou que 4 dos 9 estúdios adquiridos pela empresa nos últimos anos estão focados em projetos de jogos como serviço.

Já o jogo de tiro multiplayer “Concord”, do estúdio Firewalk (um desses quatro), foi o destaque da apresentação para o público geral, com novas demonstrações de gameplay e sobre sua história. De uma forma simplista, o título parece ser um “Overwatch” em um universo similar ao de “Guardiões das Galáxias”.

Em ano fraco, mascote Astro ganha um game

A Sony já havia anunciado que 2024 não seria um ano de grandes lançamentos para suas principais franquias. Com isso, quem acabou ganhando destaque na apresentação do último dia 30 foi o simpático Astro, mascote do “time B” da Sony.

O robozinho só havia protagonizado até agora títulos gratuitos que funcionavam como introdução para periféricos da empresa. Foi o caso de “Astro Bot Rescue Mission”, que servia de introdução para o PlayStation VR, e “Astro’s Rescue Mission”, que apresentava as novas funcionalidades do controle DualSense do PlayStation 5.

Após os serviços prestados, o personagem será “promovido” e ganhará um título completo de plataforma 3D. Do pouco que se pode ver, “Astro Bot” (com lançamento previsto para 6 de setembro) tentará ser para a Sony o que os jogos 3D de Mario são para a Nintendo.

https://www1.folha.uol.com.br/tec/2024/06/playstation-desenha-futuro-para-alem-do-console-e-aposta-em-jogos-live-service.shtml

Deixe um comentário