Putin quer encontrar Xi, mas China não confirma visita

Questionado em entrevista coletiva se confirmava a visita do presidente da Rússia, Vladimir Putin, o porta-voz da diplomacia da China, Wang Wenbin, respondeu genericamente sobre as relações bilaterais e afirmou: “Não tenho nada a dizer sobre a questão específica que você mencionou.”

Putin disse há três semanas, num evento de empresários em Moscou, que planejava visitar Pequim neste mês de maio. Posteriormente, vazamentos indicaram que a visita estaria programada para estas quarta (15) e quinta (16), daí a pergunta ao porta-voz chinês. De sua parte, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, só confirmou a visita, não as datas.

A ansiedade russa se evidenciou na semana passada, quando Putin anunciou exercícios com armas nucleares no momento em que Xi Jinping iniciava sua visita à França, em que um dos temas foi a discussão de saídas para a Guerra da Ucrânia. A questão se estendeu aos encontros do líder chinês também na Sérvia e na Hungria.

Paralelamente, como informou a chancelaria chinesa na sexta (10), o enviado de Pequim para buscar saídas para a crise ucraniana, Li Hui, visitou ao longo da semana Turquia, Arábia Saudita e outros países, em busca de apoio para medidas visando conter o conflito. Também se comunicou, com o mesmo propósito, com os governos de Brasil, Indonésia, Cazaquistão e outros.

Entre as propostas que teriam alcançado “acordo amplo” estão convencer Rússia e Ucrânia a não ampliar os confrontos para mais regiões e a buscar condições para o diálogo direto das duas nações. Também teria havido concordância, entre os consultados por Li, na “oposição ao uso de armas nucleares e aos ataques a instalações nucleares pacíficas”.

A sequência de negociações diplomáticas chinesas prossegue nesta semana, sem vínculo direto com a guerra, com a visita do chanceler sul-coreano a Pequim e com a abertura das conversas em Genebra, na Suíça, entre a China e os Estados Unidos sobre inteligência artificial, inclusive de uso militar. Também foi anunciada, no Japão, a visita de uma comitiva militar chinesa, retomando intercâmbio que havia sido suspenso por Pequim.

China e Rússia têm apresentado sinais de distanciamento nos últimos meses. As exportações chinesas para Moscou, criticadas por Washington com ameaças de sanção, diminuíram 13% em março e 10,8% em abril com base na moeda chinesa, em relação aos mesmos meses do ano passado, segundo a Administração Geral de Alfândegas.

Pequim também elevou, na semana passada, as tarifas sobre a exportação de produtos para a Rússia. A medida foi recebida na imprensa russa como motivada em parte pelas filas na fronteira e pela falta de contêineres, mas também para responder temporariamente às pressões europeias.

De sua parte, a Rússia teria começado a importar “equipamentos de defesa” produzidos pela Índia, adversária geopolítica da China. Foi o que noticiou a imprensa indiana na semana passada, com repercussão na russa. Moscou teria usado para as operações o equivalente a US$ 4 bilhões de suas reservas na moeda indiana, acumuladas com a venda de petróleo.

Mais concretamente, as forças militares russas anunciaram na última sexta o início da construção de bases nas ilhas ao norte do Japão, ampliando o risco de conflito na Ásia num momento em que Pequim lida com tensão militar em várias frentes, inclusive no mar do Sul da China, com as Filipinas, e no estreito de Taiwan.

Na próxima segunda (20), toma posse o novo líder da ilha, Lai Ching-te, que é refratário a Pequim, embora tenha abandonado a defesa da independência de Taiwan durante a campanha eleitoral. A expectativa é para o tom do discurso de posse, que poderia iniciar nova crise. Para Pequim, a China continental e Taiwan são duas partes de uma só China.

Além das questões de segurança, a eventual cúpula Xi-Putin deve voltar a tratar da construção de um novo gasoduto, Power of Siberia 2. Defendida por Moscou, mas com resistência de Pequim, a obra pode ser abandonada e seguir outra rota, de menor custo. Prevista para atravessar a Mongólia, ela passaria agora pelo Cazaquistão.

O embaixador cazaque, Dauren Abayev, deu entrevista à agência Tass detalhando o projeto, que já teria sido assinado por seu país e por Moscou. As declarações ecoaram tanto em mídia estatal como social, em Pequim, alimentando os rumores que vêm de anos, sobre como o gás russo hoje fornecido à Europa poderia chegar à China.

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2024/05/putin-quer-encontrar-xi-mas-china-nao-confirma-visita.shtml

Deixe um comentário