Folia séria

Comentários desativados

Cézar Veronese , Professor do CPV Vestibulares

“A-la-la-ô ô ô ô ô… Mande água pra ioiô/ Mande água pra Iaiá…” A marchinha de Haroldo Lobo e Nássar, como acontece há décadas, esteve e está na boca dos foliões nesses dias de muito riso e pouco siso. O que talvez muita gente não lembre ou não saiba é que a letra não é uma mera apropriação de referências do mundo árabe. Lançada em 1941, era um deboche à falta de iniciativa das autoridades cariocas para desenvolver uma política séria de combate à falta de água que assolava a cidade. Por isso, a marchinha, 70 anos depois infelizmente mantém a atualidade dos versos.

Mas quem está interessado em falta de água? Ninguém mais aguenta essa história, nem a da Petrobrás (máscaras de sua ex-presidenta compuseram a fantasia de muitos foliões), e de todos os escândalos e falcatruas que impedem a alegria de viver. Precisamos da festa para não explodir como a cigarra por excesso de canto (em nosso caso, por excesso de desgraças).

Remontando à nossa dívida eterna com os helenos, o carnaval já existia uns séculos antes do ano zero da era cristã, que dele se apropriou combinando-o com a quaresma. Da Europa espalhou-se pelo mundo e aí estamos nós, líderes de pelo menos alguma coisa bela e grandiosa. Festa dos sentidos, o carnaval suspende a ordem oficial e instaura um rei provisório cuja ordem é a transgressão. E aí sublimamos, longe do divã do psicanalista, nossas neuras, nossos sonhos e nossas frustrações. Tudo com direito a vestir a fantasia mais maluca e de dizer as cobras e lagartos presos na garganta ao longo do ano.

Essa transgressão foi brilhantemente estudada por Mikhail Bakhtine, que construiu o conceito de “carnavalização da literatura”, identificando uma corrente subterrânea de obras (poemas, contos, narrativas) que, desde a Idade Média riu do mundo oficial, mostrando reis safados, padres amantíssimos, princesas “rodadas”. GARGÂNTUA e PANTAGRUEL (que devem ser lidos com a mão na barriga para segurar o riso), de Rabelais, é o exemplo consumado desse deboche, que irá desembocar alguns séculos depois nas vanguardas.

No Brasil, MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS, a obra de Oswald de Andrade e os périplos de Macunaíma (“nada nas mãos nada nos bolsos”) compõem a tríade que carnavalizou o mundo dos salões de moças puritanas e rapazes prendados.

Enquanto isso, longe dos desfiles idiotas da Marquês de Sapucaí – com suas peruas televisivas, seus sambas enredos idênticos mais a baixaria que todo ano acompanha a computação da votação das escolas -, o carnaval verdadeiro rola nos blocos de bairro do Rio, do Recife e da esquina da sua casa. Não comprou fantasia? Pegue o jornal do dia, componha um capuz com a manchete virada para a parte externa e caia na folia!

Para ouvir depois do carnaval: Ney Matogrosso lançou em 2001 o CD BATUQUE e Ná Ozzetti, em 2006 lançou BALANGANDÃS. Ambos os discos são sofisticadíssimas releituras de marchinhas de carnaval popularizadas por Carmen Miranda.

Para ler outros textos do Prof. Veronese, acesse blog do CPV.

Comments are closed.