Arábia Saudita rompe com Canadá e choca aliados ocidentais

Comentários desativados

Desde a rápida ascensão de Mohammed bin Salman ao posto de príncipe herdeiro do trono da Arábia Saudita, no ano passado, o jovem saudita ganhou a reputação de ser muito enfático em seus esforços para modernizar o reino conservador.
Desde que ele ganhou a posição as autoridades detiveram membros poderosos da família real e lançaram uma forte campanha repressiva contra vozes dissidentes.
Riad também assumiu a liderança de um embargo regional contra o Qatar; teria supostamente detido e forçado a renúncia do primeiro-ministro do Líbano, por algum tempo no ano passado; e entrou em disputa com a Alemanha pelas críticas de Berlim à política externa intervencionista dos sauditas.
Mas a extraordinária disputa entre a Arábia Saudita e o Canadá e a linguagem belicosa que emergiu em Riad esta semana ainda assim causaram choque aos aliados ocidentais do reino e a observadores veteranos da política saudita.
Alguns deles sugerem que isso foi um reflexo da autoconfiança do príncipe Mohammed, 32; outros que o caso representa um desastre de relações públicas em um momento no qual o reino precisa atrair investimentos estrangeiros para ajudar nos ambiciosos planos do príncipe para reformar a nação.
“Os investidores estrangeiros verão o caso como mais uma razão para questionar a estabilidade do processo de formação de políticas e do processo decisório na Arábia Saudita. Qualquer que seja o impacto que isso venha a ter no mundo, certamente será negativo”, disse Charles Hollis, diretor-executivo da consultoria Falanx Assynt, que pesquisa sobre países de mercado emergente.
O sentimento entre os investidores já era negativo por conta da campanha de combate à corrupção do príncipe Mohammed, que resultou na detenção de mais de 300 príncipes, magnatas e funcionários e antigos funcionários do governo sauditas.
A disputa com Ottawa emergiu depois que a ministra do Exterior canadense, Chrystia Freeland, apelou pela libertação de Samar Badawi, uma renomada ativista saudita pelos direitos das mulheres, detida na semana passada, e de seu irmão. A família tem parentes que vivem no Canadá.
Riad, que não havia comentado publicamente sobre a detenção de Badawi, reagiu de modo furioso. Em uma sequência de comunicados iniciada na manhã de segunda-feira (6), as autoridades e a mídia saudita informaram a expulsão do embaixador canadense, o congelamento de novas transações comerciais e de investimento com o país, a suspensão de um programa de intercâmbio estudantil, e a suspensão dos voos da companhia nacional de aviação saudita para o Canadá.
A disputa se manteve na terça-feira (7), quando a imprensa favorável ao governo saudita reforçou os ataques contra Ottawa. O jornal diário “Arab News”, que circula em inglês, publicou um editorial no qual afirmava que o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau deveria enviar uma delegação ao reino “no primeiro avião”, ou a disputa se tornaria mais difícil de resolver. “O Qatar serve como exemplo”, afirmou o jornal.
Os sauditas postaram mensagens na mídia social defendendo a independência da província canadense de Québec e criticando o tratamento do Canadá às suas populações indígenas.
Ha Hellyer, pesquisador sênior do Conselho do Atlântico e do Royal United Services Institute de Londres, disse que a reação saudita poderia ser a tentativa do príncipe Mohammed de “redefinir as ‘linhas vermelhas’ de Riad quanto ao envolvimento internacional com a Arábia Saudita”.
“A Arábia Saudita sofre críticas internacionais frequentes por seu histórico de direitos humanos e, ao reagir de forma tão exagerada ao Canadá, Riad provavelmente está tentando projetar a mensagem de que no futuro não tolerará críticas”, disse Hellyer.
Um funcionário do Ministério do Exterior saudita disse que o apelo canadense pela libertação imediata dos ativistas representava “um uso repreensível e inaceitável da linguagem empregada entre Estados soberanos”.
A disposição de Riad de se envolver em um quebra-pau público com o Canadá, membro do G7 (grupo das economias mais desenvolvidas do mundo), pode ser atribuída ao custo econômico baixo que o conflito tem para o reino.
O comércio bilateral entre os dois países foi de apenas US$ 3 bilhões (R$ 11,3 bilhões) no ano passado. O aspecto comercial mais significativo que estaria em jogo para o Canadá é um acordo de US$ 13 bilhões (R$ 48,9 bilhões) para o fornecimento de veículos blindados leves à Arábia Saudita.
“Estamos esperando que a Arábia Saudita informe mais especificamente o que pretende fazer”, disse Freeland, quando perguntada por jornalistas sobre o contrato militar.
Emad al-Thukair, presidente do Conselho de Negócios Saudita-Canadense, disse na terça-feira que os planos para um fórum que seria realizado em outubro no Canadá foram abandonados. Uma visita por representantes de 100 companhias canadenses ao reino, que aconteceria em novembro, também foi suspensa, ele disse.
“Não haverá atividades até que a crise atual seja resolvida”, disse Thukair à TV estatal saudita.
Depois que a Arábia Saudita se desentendeu com Berlim no ano passado, pela decisão alemã de criticar os sauditas por sua intervenção na guerra do Iêmen e por seu suposto papel na renúncia do primeiro-ministro libanês Saad Hariri, companhias alemãs se queixaram de que estavam sendo excluídas de disputas por contratos governamentais sauditas.
Iyad Madani, antigo ministro da informação saudita, disse que o erro do Canadá havia sido tentar influenciar um assunto interno do reino.
“O Canadá cometeu um erro porque parece ter ignorado e esquecido que a sociedade civil e o desenvolvimento político e social são assuntos que devem ser deixados à dinâmica de cada sociedade”, ele escreveu.
Joost Hillerman, diretor de assuntos do Oriente Médio na organização de pesquisa International Crisis Group, disse que as autoridades sauditas estavam “dando um  tiro no próprio pé”.
“Mas para eles a alternativa é pior, porque não querem ceder a pressões”,  disse Hillerman.
https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/08/criticas-da-arabia-saudita-ao-canada-chocam-aliados-ocidentais.shtml

Comments are closed.