Mark-Carney_notaalta

Reino Unido iguala condições de banco e fintech de pagamento

O presidente Banco da Inglaterra (BoE), Mark Carney, anunciou ontem que a instituição pretende abrir seus cofres às empresas de tecnologia pela primeira vez, permitindo-lhes depositar recursos de um dia para o outro em contas remuneradas na Threadneedle Street, uma das ruas da City de Londres, e oferecendo, com isso, sistemas de pagamentos em igualdade de condições com os bancos comerciais.
A ideia de permitir que todos os provedores de pagamentos acumulem
recursos de um dia para o outro (ou no “overnight”) em contas remuneradas
no banco central ajudará a garantir que “atividades semelhantes sejam
regulamentadas de uma maneira homogênea”, enfatizou o presidente do Banco da Inglaterra.
A medida será vista como uma ameaça para os bancos, que hoje têm acesso exclusivo às operações de pagamentos do Banco da Inglaterra e podem ganhar dinheiro com seu papel de intermediários para outros provedores de pagamentos.
A medida será uma prova palpável da postura de “portas abertas” de Carney para com o Facebook e sua pretendida moeda digital, a Libra. Os recursos em libra esterlina que lastrearão a criptomoeda do Facebook terão à disposição uma conta segura, remunerada por juros, o que poupará a grande empresa de tecnologia de arcar com cobranças bancárias e do risco decorrente de uma possível falência de seus parceiros entre os bancos comerciais.
O presidente do BC britânico enfatizou, no entanto, que apenas empresas que cumprem padrões rígidos terão acesso aos serviços bancários do Banco da Inglaterra. “Ao contrário das mídias sociais para as quais os padrões e regulamentações estão sendo discutidos muito após sua adoção por bilhões de usuários, as cláusulas de compromisso para inovações como a Libra têm de ser adotadas antecipadamente a qualquer lançamento”, disse Carney.
Mas ele foi claro em afirmar que defende essa abertura de portas a fim de melhorar a concorrência e estimular a inovação nos sistemas de pagamentos.
Atualmente apenas bancos comerciais podem armazenar dinheiro – geralmente de um dia para o outro (overnight) – no Banco da Inglaterra, que tem garantia de segurança por ser respaldado pela capacidade do banco central de produzir dinheiro. Carney disse que oferecer os serviços da instituição a outros, medida que será instaurada apenas depois de um período de consultas, contribuirá para aumentar a concorrência nos sistemas de pagamentos e para tranquilizar o público quanto à sua segurança.
Ao dar acesso a serviços bancários ultrasseguros e baratos destinados a novos pagamentos, o BC britânico espera poder sustentar a estabilidade financeira, ao permitir que sistemas de pagamentos continuem a operar mesmo que grandes bancos abram falência e ao baixar os custos para usuários potenciais como o Facebook.
“Os usuários deverão se beneficiar da redução dos custos e da elevação do grau de segurança que acompanham as operações bancárias no banco central”, disse o presidente. “Do ponto de vista das famílias e empresas britânicas, a ampliação do acesso pode melhorar o nível de inclusão e os serviços.”

https://www.valor.com.br/financas/6314287/reino-unido-iguala-condicoes-de-banco-e-fintech-de-pagamento#

Comentários estão desabilitados para essa publicação