EUA: guerra comercial com a China está “suspensa”. Por enquanto

Comentários desativados

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, afirmou neste domingo, 20, que o governo Donald Trump não aplicará tarifas sobre as importações da China, enquanto os dois países discutem detalhes de um acordo para reduzir o déficit comercial entre ambos os países.
“Estamos suspendendo a guerra comercial”, disse Mnuchin em uma entrevista ao canal Fox News, enquanto os dois países “tentam executar a estrutura” de um acordo para reduzir o déficit americano com os chineses, de cerca de US$ 375 bilhões.
Durante as negociações comerciais bilaterais realizadas em Washington no fim da semana passada, os EUA exigiram que a China reduzisse sua vantagem comercial em US$ 200 bilhões ou mais. A China chegou às negociações prontas para aumentar as compras de bens dos EUA, mas recusou-se a concordar com uma quantia específica em dólar.
As conversações se seguiram às ameaças dos EUA de aplicar tarifas de até US$ 150 bilhões sobre importações chinesas. As medidas processuais para aplicar as tarifas da primeira parcela de US$ 50 bilhões teriam sido concluídas na semana que vem.
No fim de semana, os dois lados divulgaram um comunicado conjunto após a conclusão das negociações. A declaração não mencionou nenhum objetivo numérico específico para redução no déficit dos EUA, como os EUA queriam. “Ambos os lados concordaram com aumentos significativos nas exportações agrícolas e energéticas dos Estados Unidos”, disse o comunicado, acrescentando que “as delegações também discutiram a expansão do comércio de bens manufaturados e serviços. Houve um consenso sobre a necessidade de criar condições favoráveis para aumentar o comércio nesses países”. áreas “.
Mnuchin disse que os dois lados estão trabalhando em um acordo que reduziria “substancialmente” o déficit comercial dos EUA com a China, e que o secretário de Comércio, Wilbur Ross, viajaria à China para buscar “compromissos muito duros”
que incluiriam aumentos substanciais nas compras chinesas da produção agrícola e energética dos EUA.
Mnuchin minimizou a importância de os chineses não concordarem em reduzir o déficit em US$ 200 bilhões, afirmando que as transações se desenrolam empresa por empresa, não por meio de uma única decisão de compra do governo, e que “em última análise, trata-se de indústria capaz de ter contratos firmes e entregar esses bens “.
Liu He, o vice-primeiro-ministro chinês, liderou a delegação de Pequim a Washington semana passada para tentar acabar com a escalada das tensões comerciais entre os dois países. Liu também elogiou o progresso no fim de semana, dizendo que “os dois lados concordaram em evitar uma guerra comercial e parar de impor tarifas uns aos outros”, informou a agência de notícias oficial Xinhua. A visita de Liu a Washington seguiu uma viagem a Pequim no início do mês por Mnuchin e outros altos funcionários do comércio dos EUA.
Lawrence Kudlow, chefe do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, disse que o presidente Donald Trump está satisfeito com a direção das negociações, superando seu ceticismo inicial. E, no entanto, o acordo de fim de semana com a China ainda deixa uma agenda comercial complexa no ar.
Os dois lados negociaram um acordo para que os EUA reduzam as restrições à chinesa ZTE, empresa de telecomunicações que teme que sua tecnologia possa ser usada para espionar os norte-americanos por meio de seus telefones. A companhia violou sanções contra a Coréia do Norte e o Irã, e o Departamento de Comércio proibiu as empresas dos EUA de fornecerem peças para a ZTE, assunto que aguardando uma revisão oficial.
Enquanto um acordo para pelo menos atrasar as tarifas sobre a China foi alcançado, a União Europeia ainda está enfrentando a ameaça das tarifas de aço e alumínio dos EUA que entram em vigor no final do mês. Ainda também não há decisão sobre o Nafta, acordo comercial com Canadá e México. “O presidente está mais determinado a ter um bom negócio do que se preocupar com prazos”, disse Mnuchin, sobre o Nafta. Os lados estão “muito distantes, mas nosso objetivo ainda é conseguir um acordo”.

Comments are closed.