Europa busca acordo para taxar faturamento digital de empresas

Comentários desativados

Os ministros das Finanças da União Europeia vão discutir nesta semana propostas para adotar um imposto sobre o faturamento digital das empresas até o final do ano, mostrou um documento preparado pela presidência austríaca do bloco.

Os governos da UE concordam que as regras fiscais devem ser alteradas para aumentar a taxação sobre os serviços digitais que estão atualmente subtaxados, mas discordam sobre o processo para alcançar essa meta.

Estados menores com alíquotas menores, como Luxemburgo e Irlanda, que abrigam grandes multinacionais norte-americanas, querem que as mudanças na União Europeia sejam acompanhadas por uma reforma global da tributação digital, que vem sendo discutida há anos sem sucesso.

Países maiores, como França e Itália, que afirmam ter perdido milhões de euros de receita tributária devido à mudança dos lucros tributáveis ​​dos gigantes digitais para países com impostos mais baixos, querem uma solução rápida.

Eles apoiam a proposta da Comissão Europeia de um imposto de 3 por cento em todo o bloco sobre receitas digitais de grandes empresas que seriam introduzidas antes de uma revisão global das regras tributárias.

A Áustria, que atualmente detém a presidência rotativa da UE, pretende avançar com o plano de 3 por cento, segundo um documento visto pela Reuters que vai alimentar as discussões sobre o assunto em uma reunião de ministros das Finanças da UE na sexta-feira e no sábado em Viena.

Enquanto esperam por um acordo global, os países da UE “já enfrentam o risco de erosão das bases de taxação corporativa e podem ficar tentados a agir unilateralmente”, disse o documento austríaco, pedindo “uma abordagem uniforme” para uma solução provisória da UE baseada no Proposta da Comissão.

Onze dos 28 países da UE já consideram suas próprias medidas nacionais, disse o documento, alertando para os riscos se os países não chegarem a um plano conjunto rapidamente.

A Áustria vai perguntar aos ministros se eles concordam em concentrar o trabalho em uma solução temporária da UE que deve ser acordada até o final do ano, de acordo com o documento.

Para superar algumas críticas à medida, Viena propõe reduzir a abrangência do imposto, que deixaria de ser aplicado à venda de dados dos usuários, tal como na proposta da Comissão.

Somente a receita dos serviços de publicidade online, nos quais o Google e o Facebook se destacam, e dos marketplaces, como o da Amazon, estariam sujeitos ao novo imposto, de acordo com o plano austríaco.

Segundo a proposta da Comissão, apenas as empresas com receita global anual de 750 milhões de euros e as receitas na UE de pelo menos 50 milhões de euros por ano seriam tributadas.

Cerca de 200 empresas se enquadram no âmbito do novo imposto proposto pela Comissão, disseram autoridades europeias, estimando receitas anuais adicionais para a UE com um todo de cerca de 5 bilhões de euros.

https://br.reuters.com/article/internetNews/idBRKCN1LK29N-OBRIN

Comments are closed.