eua_hong_kong_notaalta

China rejeita lei pró-Hong Kong dos EUA

A China alertou os Estados Unidos nesta quinta-feira de que irá adotar “contramedidas firmes” em resposta à legislação dos EUA apoiando manifestantes contrários ao governo em Hong Kong, e disse que tentativas de interferir na cidade comandada pela China estão destinadas a fracassar.
O presidente dos EUA, Donald Trump, sancionou na quarta-feira uma legislação do Congresso que defende os manifestantes, apesar das objeções de Pequim, com quem Trump busca um acordo para acabar com a guerra comercial.
Manifestantes de Hong Kong reagiram realizando um ato do Dia de Ação de Graças durante o qual milhares de pessoas, algumas envoltas na bandeira norte-americana, se reuniram no centro da cidade.
“A lógica de realizarmos esta manifestação é mostrar nossa gratidão e agradecer o Congresso dos EUA e também o presidente Trump por sancionarem o projeto de lei”, disse Sunny Cheung, membro de 23 anos de um grupo estudantil que fez pressão a favor da legislação.
“Estamos realmente gratos por isso, e agradecemos o esforço feito pelos americanos que apoiam Hong Kong, que estão ao lado de Hong Kong, que não escolhem se alinhar a Pequim”, disse, exortando outros países a aprovarem legislações semelhantes.
A lei exige que o Departamento de Estado certifique, ao menos anualmente, que Hong Kong é autônoma o suficiente para justificar termos comerciais favoráveis com os EUA que ajudaram a cidade a se tornar um centro financeiro mundial.
Também ameaça sanções por violações de direitos humanos.
Pequim alertou que os EUA devem arcar com as consequências das contramedidas da China se continuar a “agir arbitrariamente” em relação a Hong Kong, disse o Ministério das Relações Exteriores em comunicado.
O vice-chanceler chinês, Le Yucheng, também convocou o embaixador norte-americano, Terry Branstad, nesta quinta-feira e exigiu que Washington pare imediatamente de interferir nas questões domésticas da China.
Apoiado por Pequim, o governo de Hong Kong disse que a legislação enviou a mensagem errada aos manifestantes e “interferiu claramente” com os assuntos internos da cidade.
A China está cogitando impedir que os mentores da lei, cujo patrocinador no Senado dos EUA é Marco Rubio, um republicano da Flórida, entrem em seu território continental, além de Hong Kong e Macau, disse Hu Xijin, editor do tablóide chinês Global Times, no Twitter.
Mais de 5.800 pessoas já foram presas desde que os tumultos irromperam em junho em reação a uma proposta de permitir extradições para a China continental, e os números cresceram em outubro e novembro devido à escalada da violência.
Os manifestantes estão revoltados com a brutalidade policial e com o que veem como uma interferência chinesa nas liberdades prometidas a Hong Kong quando esta foi devolvida ao controle chinês em 1997, como um Judiciário independente.
A China nega interferir e se diz comprometida com a fórmula “um país, dois sistemas” adotada à época da devolução, e acusa forças estrangeiras de fomentarem os distúrbios, uma alegação que repetiu em reação à lei dos EUA.
“Esta assim chamada legislação só fortalecerá a determinação do povo chinês, incluindo o povo de Hong Kong, e conscientizará a respeito das intenções sinistras e da natureza hegemônica dos EUA”, disse Ministério das Relações Exteriores chinês. “O complô dos EUA está condenado.”
O porta-voz do ministério, Geng Shuang, não quis comentar nenhuma das contramedidas planejadas por Pequim.
“É melhor vocês ficarem atentos e acompanharem isso”, disse. “O que virá, virá.”

https://br.reuters.com/article/worldNews/idBRKBN1Y21XE-OBRWD

Deixe um comentário