Número de agtechs no país dispara em 2 anos

Comentários desativados

Muito mais gente está interessada hoje nos problemas da vida rural brasileira – ou, melhor dizer, na possibilidade de ganhar dinheiro encontrando soluções tecnológicas para eles. Isso explica por que o número de startups voltadas ao agronegócio tenha mais que dobrado entre 2016 e o primeiro semestre de 2018, conforme mostra o 2o Censo Agtech Startups Brasil, que acaba de ser concluído. Eram 76; agora são 184 empresas. Juntas, levaram à criação declarada de 1.536 postos de trabalho de alta qualificação no país.
O novo levantamento realizado pelo AgTechGarage e a Esalq/USP, e antecipado ao Valor, faz um recorte mais aprofundado em relação ao censo anterior e mostra dois aspectos positivos em relação à disseminação da inovação no campo. Um deles é o espraiamento territorial desses empreendedores com o aparecimento, ainda que tímido, de startups no Norte e Nordeste, e o crescimento do empreendedorismo no Centro-Oeste. Amapá, Amazonas, Pará e Piauí são novidades, mas Goiás e Mato Grosso ganharam representatividade maior.
Outro aspecto é a diversificação das culturas atingidas. Preferência do grande produtor rural brasileiro, a soja continua sendo o carro-chefe também na busca por tecnologias que ampliem a previsibilidade e a produtividade das lavouras. Os empreendedores trabalhando nesta agenda perfazem nada menos que 46% das agtechs levantadas. Mas surgiram desta vez tecnologias também para culturas menos commoditizadas, como a hortifruticultura e a piscicultura.
“Em uma escala de 1 a 5, a receptividade do agricultor brasileiro à tecnologia passou a pender bem mais para alta”, afirma José Tomé, do AgTechGarage, de Piracicaba.
O amadurecimento do empreendedorismo rural se vê tanto na melhor aceitação da tecnologia por parte do produtor quanto na capacidade das startups de atender o cliente em cenários adversos. Segundo Tomé, as empresas conseguiram dar um “jeitinho” na realidade brasileira de baixa conectividade rural. “É claro que não ter internet não é bom, dificulta, mas o que o censo mostra é que as startups não viram isso como uma barreira de entrada”, diz ele.
Na prática, o que elas fizeram está no cerne da concepção do que é ser uma startup: detectaram o problema rapidamente e adaptaram-se para resolvê-lo mais rápido ainda. “Sem internet, as startups criaram, por exemplo, aplicativos que podem ser alimentados offline para descarregar as informações na fazenda, onde tem sinal de internet”.
O advento das agtechs tirou a hegemonia das grandes empresas do setor agroquímico mundial na corrida por novas tecnologias capazes de elevar o rendimento no campo. Apesar disso (ou talvez exatamente por isso), importantes parcerias começaram a ser fechadas entre ambos os lados. O censo mostra que 51% disseram já ter ao menos uma parceria com uma grande empresa. Isso propiciou algumas vantagens: o acesso à base de clientes e vendas, a contratação do projeto-piloto, a capacitação e mentoria e ainda conexões comerciais outrora impensáveis.
Nesse sentido, mais da metade dos respondentes (58%) também já dizem estar resguardadas por algum tipo de proteção intelectual.
“Empresas e startups estão se conhecendo e interessadas nessa aproximação”, diz Mateus Mondim, professor da Esalq/USP e co-idealizador do censo. “E podemos dizer é que as startups estão em processo de amadurecimento”.
Segundo ele, o Estado de São Paulo ainda é o maior “cluster” de agtechs no país. Mais de 50% das iniciativas empreendedoras estão localizadas no eixo de Piracicaba, Campinas e a capital paulista. De acordo com Mondin, isso ocorre por diversos fatores, desde a forte presença acadêmica e o fácil acesso logístico a essas cidades a políticas públicas e verbas para aplicação em ciência.
O censo é a primeira parte de um trabalho de compreensão do movimento de startups no campo no Brasil, e não para por aí. Mondin diz que o próximo passo será a publicação de um relatório bilíngue para dar lastro ao levantamento, que contou com a ajuda de um grupo de estudantes da Esalq-USP e dos professores Andrew Zimbroff, da University of Nebraska- Lincoln, e Gregory G. Graff, da Universidade Estadual do Colorado.
Segundo ele, o documento colocará os números no contexto nacional. “Nos EUA, por exemplo, o censo de agtechs inclui toda a cadeia do agronegócio, de ponta a ponta. Se uma empresa cria uma solução que diminua o desperdício de alimentos no supermercado, ela é considerada uma agtech. Aqui, a nossa visão é muito mais restrita”, afirma Mondin. Além disso, diz, muitas startups brasileiras ainda não se entendem como uma ‘agtech’ por não atuarem diretamente no setor – não desenvolveram um software de gestão, não tem um satélite, etc. “Com isso, deixaram de aparecer muito mais coisas novas”.

https://www.valor.com.br/agro/5897497/numero-de-agtechs-no-pais-dispara-em-2-anos#

Comments are closed.