Volkswagen e Ford anunciam aliança global e planejam novos carros

Comentários desativados

A alemã Volkswagen e a americana Ford Motor Company, duas gigantes da indústria automotiva mundial, firmaram nesta terça-feira (19) na Alemanha e nos Estados Unidos um acordo — Memorando de Entendimentos — que define estudos para uma aliança estratégica global. A parceria, conforme as duas montadoras de veículos, é destinada a fortalecer a competitividade de cada uma das companhias, bem como melhor atender seus clientes globalmente.
As duas montadoras vão estudar potenciais projetos em várias áreas — incluindo o desenvolvimento conjunto de uma linha de veículos comerciais para melhor atender às necessidades em evolução de seus clientes. A aliança não envolverá acordos acionários, incluindo participações proprietárias cruzadas.
Ambas as companhias vêm enfrentando grandes desafios, e problemas, nos últimos anos. Além do aumento da concorrência de grupos asiáticos, dentre eles a ofensiva de montadoras chinesas.
A Ford fez anúncios recentes de corte de custos. Anunciou um plano para cortar US$ 25,5 bilhões até 2022, ante US$ 14 bilhões previstos no plano anterior anunciado em 2017, e aumentar as margens de lucro nos próximos anos. A marca não pretende mais investir em novas gerações de sedãs tradicionais para a América do Norte, o maior mercado da montadora americana sediada em Dearborn, Michigan.
“A Ford está empenhada em melhorar nossa qualificação como negócio e alavancar modelos de negócios adaptativos, que incluem trabalhar com parceiros para melhorar nossa efetividade e eficiência”, afirmou Jim Farley, presidente de Mercados Globais da Ford, no comunicado das duas companhias feito hoje.
“Essa potencial aliança com o Grupo Volkswagen é mais um exemplo de como podemos nos tornar mais ajustados como negócio, criando ao mesmo tempo um portfólio global de produtos vencedores e expandindo nossas capacidades”, acrescentou Farley.
Já a VW ainda enfrenta desdobramentos do escândalo de emissões dos veículos a diesel, que ficou conhecido como “dieselgate”. Recentemente, a Justiça alemã multou em 1 bilhão de euros a fabricante, que se declarou culpada no caso. O grupo fraudou cerca de 11 milhões de carros pelo mundo — eram equipados com um software que burlava testes de emissões. Na segunda (18), o presidente da controlada Audi foi preso ainda em decorrência do caso.

Mais flexibilidade
Thomas Sedran, diretor de Estratégia do grupo Volkswagen, declarou que “as demandas do mercado e dos clientes estão se modificando a uma velocidade incrível. Ambas as empresas já têm posições fortes e complementares em diferentes segmentos de veículos comerciais. Para se adaptarem a um ambiente desafiador, é da mais alta importância ganhar flexibilidade por meio de alianças”.
Segundo afirmou, este é um elemento central da Estratégia 2025 do grupo automotivo alemão. “A potencial colaboração industrial com a Ford é vista como uma oportunidade para melhorar a competitividade global das duas companhias”, acrescentou.
Para Júlio Gomes de Almeida, diretor-executivo do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), a operação é o primeiro passo de um movimento da indústria automotiva tradicional para enfrentar as mudanças que devem atingir o setor nos próximos anos.
“O momento é de transformação para a indústria automobilística, por conta das revoluções tecnológicas recentes e é um movimento importante para fortalecê-las”, afirma Almeida. Ele cita, por exemplo, o avanço dos carros autônomos e dos veículos elétricos. “O carro elétrico é um outro conceito, outra cadeia produtiva, o que significa uma revisão completa da indústria.”
A visão do representante do Iedi é de que essa mudança de tecnologia abriria espaço para novos concorrentes, e uma aliança fortaleceria a dupla, diante de um possível aumento de competitividade.
Em produção, a duas companhias somam aproximadamente 17 milhões de unidades por ano, levando em conta os números de 2017. O número supera os 10,61 milhões de veículos produzidos pela aliança Renault-Nissan no ano passado, a mais recente ameaça para os alemães.
Separadamente, a companhia sediada em Wolfsburg, que tem 12 marcas, de sete países europeus, produziu 10,7 milhões de veículos. A montadora americana fabricou 6,6 milhões unidades.
No Brasil, a produção do ano passado das duas marcas aproximou-se das 660 mil unidades entre veículos leves e comerciais, sendo 408,3 mil da Volks, e outros 248 mil da Ford. A maior fabricante do país no ano passado foi a General Motors, com 412,3 mil unidades produzidas.

Inspiração na Autolatina
As duas companhias fizeram um movimento parecido nos anos 80, que durou entre 1987 e 1996. Elas organizaram uma joint venture regional, a Autolatina, para atuação apenas nos mercados de Brasil e Argentina.
Outra grande aliança do setor foi realizada em 2016, quando a Renault-Nissan anunciou a compra da japonesa Mitsubishi. A Fiat Chrysler, resultado de uma fusão anos atrás, buscou alianças com a própria Volks e com a GM.
No comunicado, as companhias também afirmaram que vão fornecer mais detalhes à medida que as negociações sobre a aliança avançarem.

http://www.valor.com.br/empresas/5605953/volkswagen-e-ford-anunciam-alianca-global-e-planejam-novos-carros#

Comments are closed.