macri

Mauricio Macri é eleito presidente da Argentina

O conservador Mauricio Macri foi eleito neste domingo, presidente da Argentina. Com 99% dos votos apurados, o empresário e prefeito de Buenos Aires vencia o governista Daniel Scioli por 51,4% a 48,6%. Com o resultado, o kirchnerismo deixará, em dezembro, a Casa Rosada após 12 anos no poder.

Pouco depois de ter votos suficientes para ser declarado vencedor, Macri discursou à militância e adotou um tom de conciliação. Ele afirmou que o “dia histórico” marcará uma “mudança de época” na Argentina, mas deixou portas abertas a diálogo com os futuros opositores. “Essa mudança não pode se prender a vinganças e ajustes de contas.”, como mostrou material do Estadão de 23/11.

O conservador fez um apelo a todos os eleitores. “Peço que não me abandonem. Em 10 de dezembro começa outra Argentina”, completou. Após discursar, Macri dançou no palco, enquanto os militantes celebraram com refrigerante. Um foguetório e buzinaços começaram no bairro da Recoleta e centenas foram para o Obelisco, que concentra comemorações de vitórias no futebol. Seus militantes começaram a celebrar tão logo a votação foi encerrada, às 18 horas (19 horas em Brasília). Logo após o fechamento das urnas, pesquisa divulgada pela coalizão que ele lidera, a Cambiemos, apontava vantagem de 10 pontos sobre Scioli.

Às 21h30 (22h30 em Brasília), Scioli admitiu a derrota. O candidato da presidente Cristina Kirchner mencionou conquistas de 12 anos com argumentos e dados usados em campanha, mas num tom humilde. “O povo escolheu uma mudança. Espero que essa mudança supere o que foi feito. Desejo que o engenheiro Macri tenha sucesso”, afirmou Scioli, apontado como favorito até o primeiro turno, quando obteve 37%, ante 34,1% de Macri. Ontem, um resultado decisivo foi o da Província de Córdoba, onde o conservador teve 71% dos votos, ante 28% de Scioli.

Macri, de 56 anos, é filho de um dos mais importantes empresários da Argentina, Franco, beneficiado com concessões de obras na área da construção nos anos 80 e 90, período em que se aproximou do peronismo.

O candidato vencedor começou a tornar-se conhecido em 1991, aos 32 anos, quando foi alvo de um sequestro que durou 14 dias. Um grupo de ex-policiais federais o manteve no sótão de uma casa na zona norte da capital. Ao ser capturado, foi agredido e transportado em um caixão. Foi libertado depois de a família pagar US$ 6 milhões. Quatro anos depois, tornou-se presidente do Boca Juniors, clube de futebol com o maior número de torcedores no país. Macri ficou no comando da agremiação até 2007.

Em 2005, o agora presidente eleito fundou o Proposta Republicana, partido de viés liberal cujo objetivo era romper a polarização entre o peronismo e a União Cívica Radical (UCR). Quando manifestou sua vontade de chegar à presidência da Argentina, ganhou um oponente de peso: o próprio Franco Macri.

“Ele tem cabeça para ser presidente, mas não coração”, afirmou o empresário, que este ano se reaproximou do filho indo a um de seus últimos comícios. No discurso da vitória, Macri agradeceu pelas oportunidades dadas pelo pai.
Um dos maiores desafios da campanha de Macri foi atenuar a imagem de herdeiro abastado, ligado a milionários. “Essa mudança ocorre há dois anos. Acho que rompeu o preconceito de que trabalhava para os que mais têm pelo trabalho na cidade de Buenos Aires”, disse ao Estado Mariel Fornoni, diretora da consultoria Management & Fit.

Macri começou a governar a capital argentina em 2007 e foi reeleito em 2011 – ano em que desistiu de concorrer contra Cristina, aconselhado por marqueteiros que viram a presidente mais forte após a morte de Néstor, em 2010.

Comentários estão desabilitados para essa publicação