Emprego nos Estados Unidos depende do aço do Brasil

Comentários desativados

Na Califórnia, siderúrgica pode demitir 1 mil trabalhadores se tarifa do aço vingar. José Ontiberos trabalha há 28 anos na maior siderúrgica do Oeste americano, a California Steel, uma das principais compradoras de aço semiacabado que o Brasil vende para os EUA. Em vez de celebrar a tarifa de 25% imposta pelo presidente Donald Trump sobre a importação do produto, ele teme que a barreira leve ao fechamento da empresa e à eliminação do seu e de outros 1.000 empregos que ela provê.
“Eu estou muito preocupado. As tarifas colocam em risco meu trabalho, minha família, meu sustento”, disse Ontiberos, que tem três filhos de 12, 15 e 21 anos. Aos 56 anos, ele se considera velho para conseguir outra colocação. “No nosso caso, Trump não está protegendo empregos americanos. Isso não faz sentido. Nós produzimos aço nos EUA, para os EUA”, ressaltou o operário, que controla a velocidade da linha na qual as placas de aço importadas do Brasil e de outros países são transformadas em bobinas de aço laminado.
A 100 quilômetros de distância da California Steel, funcionários do Porto de Los Angeles também olham com apreensão a perspectiva de a barreira diminuir o número de navios que chegam e partem dos terminais em que trabalham. O porto é o destino de 1 milhão das quase 5 milhões de toneladas de aço que o Brasil exporta para os EUA e também recebe o mesmo produto de outros países, entre os quais Japão, México e Coreia do Sul.O Brasil é o maior exportador de aço para os EUA depois do Canadá e 80% de seus embarques são de produtos semiacabados, finalizados em usinas americanas.
Com uma trajetória de quatro décadas no setor siderúrgico, o gerente adjunto de Operações Dan Barzan observou que a tarifa de 25% aumentará os custos da California Steel de maneira insustentável e terá impacto negativo sobre uma série de outros setores que utilizam o produto acabado da empresa. “Nós somos uma parte importante da economia americana, principalmente na costa Oeste”, afirmou Barzan, que também teme ficar desempregado em razão da medida protecionista.
A California Steel foi concebida desde sua origem, há 34 anos, para operar com matéria-prima fornecida pelo Brasil. Em 1984, a mineradora Vale e um grupo japonês compraram a Kaiser, uma siderúrgica do tempo da Segunda Guerra Mundial que estava prestes a fechar suas portas.
Para tornar a empresa viável, os novos donos decidiram manter na planta apenas as etapas de fabricação posteriores ao semiacabado, que passaria a ser produzido no Brasil, onde há oferta de minério de ferro, a principal matéria prima do aço. Ao mesmo tempo em que compraram a Kaiser, os sócios investiram em uma usina de semiacabados em Tubarão, no Espírito Santo, que passou a exportar placas de aço para os EUA.
Em 2005, a siderúrgica foi comprada pela Arcelor Mittal, que continuou a vender os produtos para a California Steel, ao lado de outros fornecedores no Brasil. Modelo semelhante foi criado pela ThyssenKrupp, que investiu na Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), no Rio de Janeiro, e em uma siderúrgica no Alabama. A planta dos EUA hoje pertence a Arcelor Mittal e é o destino de cerca de metade das importações de semiacabados do Brasil. No ano passado, a CSA foi comprada pela argentina Ternium.
“Foi criada uma estratégia industrial entre o Brasil e os Estados Unidos, que funciona há 34 anos”, disse o brasileiro Marcelo Botelho Rodrigues, CEO da California Steel. Segundo ele, essa cadeia de produção abrange a compra de carvão metalúrgico dos EUA por empresas brasileiras, que são os principais destinos das exportações do produto. Se o Brasil fabricar menos aço, haverá menos demanda pelo carvão, o que também afetará empregos americanos nesse setor.
Efeito cascata. Rodrigues afirmou que a tarifa de 25% coloca em risco os 1.000 trabalhadores da California Steel e cerca de outros 7 mil no porto e nos 200 clientes que compram aço da siderúrgica para transformá-los em produtos finais. “Para cada emprego que geramos, há mais sete na cadeia anterior e posterior à fabricação do aço.” Esse será um dos principais argumentos que a empresa apresentará ao governo para pedir sua exclusão da tarifa.
O estivador Scott Fox trabalha há 14 anos no porto de Los Angeles com o desembarque de placas de aço vindas principalmente do Brasil e do Japão e vê a barreira de 25% como uma ameaça direta a seu emprego. Fox presta serviços à Pasha Stevedoring & Terminals, responsável pelo recebimento das placas de aço – chamadas de slabs em inglês – destinadas à California Steel. Maior alvo da retórica protecionista de Trump, a China representa apenas 1% do aço semiacabado recebido pelo terminal da Pasha, disse Dan Trani, gerente da empresa.
“Se a tarifa for aplicada, eles podem ser obrigados a fechar o terminal, o que acabará com o emprego de muita gente”, afirmou Fox. Em sua estimativa, 250 pessoas trabalham a cada turno para descarregar um navio com placas de aço, entre estivadores, operadores de guindaste, supervisores, motoristas, pessoal de escritório e os responsáveis pelos vagões de trem que levam o produto diretamente à planta da California Steel. Com dois turnos diários, isso significa 500 empregos.

http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,emprego-nos-estados-unidos-depende-do-aco-do-brasil,70002222074

Comments are closed.