dívida_global_notaalta

Dívida global caminha para recorde anual de US$ 255 tri

A dívida global atingiu o recorde de US$ 250,8 trilhões no primeiro semestre, ou 320% do PIB mundial, e deve fechar o ano a US$ 255 trilhões, impulsionada principalmente por Estados Unidos e China, segundo o Instituto Internacional de Finanças (IIF). A maior parte da dívida é de empresas não financeiras (US$ 74,2 trilhões), seguidas de governos (US$ 68,4 trilhões), setor financeiro (US$ 61 trilhões) e famílias (US$ 47,2 trilhões). Quando se divide por tipo de país, US$ 179,5 trilhões são de desenvolvidos e US$ 71,4 trilhões, emergentes.
“Estimamos que as dívidas dos governos vão superar US$ 70 trilhões este ano, guiadas principalmente pelo alta na dívida federal dos EUA. Já a dívida das empresas não financeiras deve passar de US$ 75 trilhões, com o endividamento líquido do setor privado chinês voltando a crescer”, diz o IIF.
O relatório aponta ainda que, nos emergentes, as empresas têm liderado o aumento de dívida na última década. Só as estatais já respondem hoje por mais da metade da dívida corporativa emergente. “Essa tendência ressalta os desafios que os governos emergentes provavelmente devem enfrentar na gestão de passivos relacionados aos empréstimos das estatais.”
Ainda segundo o IIF, com mais de 60% do mundo crescendo abaixo do potencial, as políticas acomodatícias dos bancos centrais têm permitido que empresas e governos se financiem e refinanciem a juros baixos. Entretanto, com menos espaço de manobra na política monetária, países com alto nível de endividamento ou crescimento rápido da dívida podem encontrar dificuldades de recorrer a estímulos fiscais.
“O apetite dos investidores para financiar empresas em países com dívida alta é sensível a mudanças no sentimento global de risco. Se esse apetite desaparecer, pode pesar nos investimentos e criação de novos empregos”, aponta o documento. Outro risco é que a dívida emergente denominada em dólar e euro está em níveis recordes, o que pode ser perigoso para países como Argentina, Arábia Saudita, Turquia, México e Chile.
Em relatório bianual divulgado na sexta-feira, o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) alertou para o risco de instabilidade no sistema financeiro em função de juros baixas por um período prolongado de tempo. “Se as taxas de juros permanecerem baixas por um período prolongado, a lucratividade dos bancos, seguradoras e outros intermediários financeiros podem sofrer estresse e estimular a busca por rendimento, aumentando a vulnerabilidade do setor financeiro a choques subsequentes.”
O Fed também identificou que preços elevados de ativos e o endividamento historicamente alto de empresas americanas são algumas das principais vulnerabilidades hoje do sistema financeiro dos EUA. O banco central também citou riscos potenciais vinculados a empréstimos corporativos não financeiros, particularmente alavancados.

https://valor.globo.com/financas/noticia/2019/11/18/divida-global-caminha-para-recorde-anual-de-us-255-tri.ghtml

Comentários estão desabilitados para essa publicação