juros

Quando os juros caem, o que muda na minha vida?

Quando os juros caem, ou o governo lança um pacote de estímulo para a economia o que acontece na minha? Muda alguma coisa de muito relevante? Pois é… muda sim, a primeira das mudanças é que nessas duas situações, com juros e estímulos,  a economia “aquece”, quer dizer, muita gente fica com a convicção de que as “coisas vão melhorar”. Daí, o dono da empresa já começa a pensar em comprar uma máquina nova porque ele começa pensar que o consumidor vai querer comprar seu produto. Em linguagem mais econômica isso tudo chama estímulo ao investimento e ao consumo.

Foi exatamente o que o governo fez ontem.  A presidente Dilma Rousseff anunciou um “pacote” para a economia cortando a taxa de juros para investimentos e ampliando para R$ 8,4 bilhões os gastos que pretende fazer até dezembro com a compra de equipamentos para incentivar a economia. A área de marketing do governo deu um nome para essa ação: “PAC equipamentos”.

Isto quer dizer que o governo pretende comprar, o mais rápido possível, 8 mil caminhões, 3 mil tratores, 500 motos, 40 tanques de guerra e 30 lança mísseis, por exemplo. Entre muitos outros equipamentos, na área da saúde e da educação. A intenção é clara fazer o PIB avançar bem mais do que o previsto.

Mas, amanhã, o Banco Central deve anunciar o IBC-Br , a projeção do banco para o crescimento da economia brasileira. Como  a probabilidade é de que o BC anuncie que a o PIB ficará abaixo dos 3,5%  de crescimento anunciados há três meses o Palácio do Planalto tomou “medidas preventivas”. E anunciou na véspera um pacote de crescimento para estimular a economia.

Alguns economistas consideram essas propostas boas, mas “pontuais”, ou  “insuficientes”, cobrando investimentos mais consistentes, não só do setor público. Para estes analistas, o problema maior da economia brasileira é a baixa taxa de investimento que ficará neste ano, na melhor das hipóteses em 19% do PIB. Só para uma comparação, na China, a taxa prevista de investimento para este ano, com crise, será de 45% do PIB.

Comentários estão desabilitados para essa publicação