risco_negocios_notaalta

Risco Econômico: Um ensaio teórico

Raphael Almeida Videira

A tomada de decisão por parte do empresário, seja em âmbito doméstico ou internacional, envolve uma série de fatores que podem ser desmembrados em políticos, regulatório, sociais, culturais, econômicos, entre outros. Os fatores estão interligados e são afetados por ações do governo e outros atores econômicos.
Tomando como base apenas o âmbito econômico, a incerteza que reside nas variáveis que compõem um cenário formulado para um país pode impactar diretamente o crescimento da economia, o que irá prejudicar empresas, famílias e o próprio setor público. Para realizar a construção de um cenário econômico é importante que os formuladores abordem aspectos de política econômica doméstica e considerem as variáveis relacionadas ao mercado internacional.
Considerando as hipóteses levantadas anteriormente, onde o formulador de um cenário leva em conta o ambiente doméstico e o internacional, além de impactos potenciais de outros fatores (político, social, etc), é interessante perceber como estas relações ocorrem no país.
Tais relações podem estar relacionadas a dois grandes grupos de variáveis que são impactadas pelo grau de incerteza referente ao cenário econômico dos mais diversos nos países. O primeiro grupo está relacionado com as variáveis relacionadas aos mercados monetários e financeiros, cujo efeito é disperso e potencializado na economia de forma mais rápida. As variáveis consideradas aqui estão relacionadas com o preço dos ativos na bolsa de valores, a taxa de câmbio e a taxa de juros na economia. Já o segundo grupo está relacionado ao chamado lado real da economia, onde as principais variáveis que são afetadas é o produto interno bruto, o emprego e a renda.
É muito comum que os dois grupos de variáveis estejam relacionados quando existe um grande nível de incerteza com relação às diretrizes de política econômica do país. Um dos canais de transmissão do grau de incerteza dos investidores é dado pelo recebimento de investimentos externos. Caso os investidores estejam mais cautelosos com relação à política econômica, o país receberá menos investimentos o que impactará diretamente e de forma imediata os níveis do mercado financeiro e, no médio prazo, irá impactar o lado real da economia.
A taxa de câmbio, com o menor recebimento de investimentos externos, sofrerá um processo de desvalorização e que pode impactar a aquisição de máquinas e equipamentos necessários à modernização do parque industrial. Isso pode fazer com que as empresas existentes no país percam competitividade no mercado externo por obsolescência e custos mais elevados, e pode acarretar em uma redução no produto interno bruto do país e um aumento na taxa de desemprego.
Já com relação ao preço das ações, com um menor fluxo de capitais circulando pela bolsa de valores, a tendência é de queda sobre o preço das ações e, consequentemente, sobre o valor das empresas. Esse efeito possui um impacto importante na produção, que é a redução na captação de investimentos, já que seu valor de mercado é menor, e o impacto no produto interno bruto será negativo.
Desta forma, a decisão de investimento das empresas deve considerar o mais amplo espectro de variáveis é fundamental para a análise mais correta e completa, e não apenas a análise do conjunto de variáveis econômicas. A complexidade das interações entre os mais diversos grupos de variáveis é de vital importância para que o objetivo de auxiliar a empresa em seus projetos de investimento seja realizado com o menor grau de incerteza possível.

Deixe um comentário