globalizacao_notaalta

Quando a Economia volta a ser um instrumento da Política

Gunther Rudzit

No Pós Guerra, quando o fluxo de investimento estrangeiro direto (IED) se intensificou, a maior preocupação das empresas era se o país no qual se investia corria o risco de passar por uma revolução e se tornasse parte do bloco socialista, ou então, um governo mais nacionalista assumisse o poder. O resultado deste processo normalmente era ou a expropriação ou a nacionalização dos ativos. Com o fim da Guerra Fria, e a intensificação da globalização, passou-se a assumir que a lógica econômica se sobrepunha à logica política ou geopolítica, assim, o temor deste tipo de política praticamente desapareceu.
Contudo, junto com a globalização econômica veio a intensificação da comunicação, primeiro com a internet, e agora com as redes sociais, criando um novo temor para as empresas, o boicote de consumidores.
Em 2007 após vários cachorros e gatos de estimação morrerem na América do Norte, Europa e África do Sul, foi identificado que empresas chinesas de ração animal estavam adulterando seus produtos. Quando começou uma movimentação dos consumidores americanos a fim de boicotarem produtos chineses para animais, o governo de Pequim interveio em duas empresas, prendeu seus administradores e anunciou uma série de medidas para melhorar o controle e a segurança desses produtos.
Em 2008 foi a vez de empresas francesas sofrerem uma campanha por parte da população chinesa de formar um boicote às empresas deste país. Isto se deu depois que manifestantes pró-Tibet tentaram impedir a passagem da tocha olímpica pela França, como um protesto às Olimpíadas que seriam realizadas ainda naquele ano em Pequim. Mesmo contra a orientação do governo, esse movimento teve força por alguns meses, afetando o resultado financeiro de algumas marcas francesas.
Contudo, em 2010 a dinâmica política, ou geopolítica, interferiu radicalmente nas relações comerciais. Neste ano um navio pesqueiro chinês foi apreendido pela guarda costeira japonesa em águas disputadas pelos dois países. A crise escalou rapidamente e com intensidade muito forte, levando as empresas chinesas que exportavam terras raras para o Japão a anunciarem “voluntariamente” que boicotariam o país. Logo após este anúncio, o governo de Tóquio liberou o capitão chinês e dias depois, o economista americano Paul Krugman publicou um artigo afirmando com uma certa surpresa que a China estava perigosamente ansiosa para deflagrar uma guerra comercial, algo impensável em plena era do globalização.
Hoje, a dinâmica política é um fator indispensável para a análise de empresas envolvidas no comércio internacional. Em julho passado, a Petrobras se recusou a abastecer navios iranianos com receio de ser incluída na lista da Agência de Controle de Ativos Estrangeiros nos EUA e sofrer sanções por parte do governo norte americano, que impôs sanções a empresas que negociarem com o governo e empresas iranianas.
Com a escalada da guerra comercial entre EUA e China ganhando novos contornos é de se esperar que medidas como esta sejam adotadas por parte dos dois governos, e por isto, as empresas brasileiras, precisam cada vez mais estar atentas ao desenvolvimento de medidas iguais, pois indiretamente, elas podem ser afetadas, resultando em perdas muito grandes.

Comentários estão desabilitados para essa publicação