Análise de gráficos nas questões de Finanças do ENADE

Comentários desativados

Oswaldo Pelaes Filho
É possível responder questões numéricas de Finanças nas provas do ENAD de maneira rápida sem fazer nenhum cálculo? Muitos alunos se deparam com esse questionamento uma vez que não poderão utilizar calculadoras durante as provas. A resposta é sim, principalmente nas questões que envolvam a análise de gráficos, pois a interpretação destes não demanda o conhecimento de fórmulas matemáticas nem requer a execução de cálculos, neste tipo de questão o avaliador está preocupado em saber se o estudante tem domínio dos conceitos e se tem a capacidade utilizar as informações gráficas.
Os gráficos apresentam informações quantitativas em dois eixos perpendiculares e são amplamente utilizados no mundo acadêmico e empresarial, seja para apresentar a evolução temporal de variáveis tais como a cotação de ações de empresas, o volume de vendas, o preço de vendas, os custos incorridos, evolução do endividamento, seja para apresentar relações entre duas ou mais variáveis.
Analisar gráficos é uma tarefa fácil, desde que se entenda o que ele está apresentando, se identifique o que o eixo horizontal e o vertical representam, bem como a unidade de cada variável apresentada. A apresentação de dados de forma gráfica e a sua correta interpretação é uma arma poderosa no auxílio da tomada de decisões e tem sido exigida com grande frequência nas avaliações do ENADE.
Para ilustrar a importância e a facilidade da análise de gráficos vamos analisar a Questão 13 do ENAD de Administração do ano de 2012 a seguir:

Nota Alta de 12 de março com Assunto, Fala do Oswaldo, Cutuco e
Nota Alta de 12 de março com Assunto, Fala do Oswaldo, Cutuco e

Apesar do tópico abordado na questão estar contemplado na disciplina Gestão de Custos e Preços, os alunos podem responder corretamente essa questão com base no que foi abordado na disciplina de Contabilidade Empresarial. Sabe-se que o Lucro Bruto de uma empresa é calculado pelo valor da Receita Total de Vendas subtraído do Custo total. O enunciado da questão nos alerta para o fato de que a Receita de Vendas é igual para as três localidades, percebe-se então que quanto maior for o valor do Custo Total menor será o valor do Lucro, portanto a resolução torna-se simples, devendo-se analisar em quais faixas de quantidade tem-se o menor Custo Total.
Para a cidade de São Paulo o menor custo está 5.000 e 10.000 unidades vendidas, portanto para essa faixa de quantidades vendidas a melhor opção é construir a fábrica em São Paulo. Para Brasília os menores custos estão na faixa de produção entre 10.000 e 20.000 unidades vendidas, portanto nesse intervalo a melhor opção é construir a fábrica na cidade de Brasília. Por fim para a cidade de Goiânia os menores custos estão na faixa de produção entre zero e 5.000 unidades vendidas, portanto nesse intervalo a melhor opção é a construção da fábrica em Goiânia.
Logo a opção correta é a A que afirma que São Paulo é a localidade que proporcionará maior lucro para a nova fábrica, se a quantidade mensal a ser produzida variar entre 5.000 e 10.000 unidades, considerando-se a estrutura de custos apresentada.
Percebe-se que a alternativa B tenta fazer uma “pegadinha” aos alunos afirmando que São Paulo é a melhor opção se a quantidade produzida for maior que 7.500 unidades, pois a partir dessa quantidade é a unidade que proporcionará maior lucro. Essa afirmação está errada pois o maior lucro será da cidade de São Paulo a partir de 5.000 unidades e até 10.000 unidades, após esse volume de produção os lucros de São Paulo serão inferiores ao da cidade de Brasília.
Pode-se concluir que os gráficos são ferramentas que facilitam o entendimento e a resolução de problemas, no entanto para uma correta interpretação é importante que sejam verificadas as variáveis consideradas no gráfico e se a sua relação é causal ou temporal.

Comments are closed.