Balian

A hora e a vez das fintechs, aproveite…

Jose Eduardo Amato Balian
Acaba de ser divulgada uma pesquisa sobre Fintechs realizada pela FIESP- Federação das Indústrias de Estado de São Paulo em conjunto com a empresa de consultoria PRICE WATERHOUSE, com resultados muito interessantes.
É sabido de todos, o excelente trabalho realizado pela FIESP nos últimos anos em prol da redução da burocracia e da taxa de juros na obtenção de crédito das empresas paulistas e a pesquisa revela um enorme potencial de mercado a ser “explorado” por startups nesse setor.

Inicialmente, as fintechs podem ser definidas como empresas que usam de forma inovadora a tecnologia na criação e entrega de produtos e serviços financeiros. É um meio para se chegar a determinado fim. Oferecem inovações que podem resultar em novos modelos de negócios, aplicativos, processos ou produtos com efeitos tangíveis nos mercados, nas instituições financeiras e na prestação de serviços financeiros.

Por meio, da tecnologia e da inovação, as fintechs operam como bancos, oferecendo produtos e serviços específicos. Na pesquisa, participaram 396 indústrias de vários tamanhos e segmentos de negócios e os resultados foram animadores com relação as oportunidades a serem oferecidas, a saber:

  • Quando perguntadas sobre seu conhecimento sobre fintechs, 54,8% das indústrias tinham ouvido falar uma única vez e 34,8% sabiam muito pouco como funcionam;
  • Os produtos financeiros oferecidos pelos bancos tradicionais foram considerados insuficientes, sendo que 56,1% apontaram a falta de crédito como fator principal, depois 37,4% a deficiente gestão financeira oferecida às empresas e 33,8% a falta de orientação adequada para realizar investimentos;
  • No momento da pesquisa, 28,5% das empresas buscaram crédito recentemente e somente 1% o fizeram via fintechs, sendo que as demais utilizaram os bancos tradicionais;
  • Quando perguntadas sobre que fatores motivaram a obtenção de crédito via fintechs, 53,1% apontaram a facilidade de contratação, 50,4% a agilidade na operação (tudo on line) e 48,7% as melhores taxas;
  • Após a operação, 76,5% consideraram a experiência como boa e excelente;
  • Com relação as desvantagens na contratação de crédito, 34,6% não identificaram nenhuma, 27,1% acharam as taxas oferecidas maiores que o esperado e 18,8% consideram as instituições muito novas e com risco elevado;
  • Quando investigadas sobre os motivos de nunca ter buscado crédito, 42,4% tinham pouco conhecimento sobre essas startups e 26,2% dúvidas com relação a segurança da operação.

Na busca por crédito e serviços mais baratos, a tabela a seguir mostra o porcentual do “por que” da preferência das indústrias por essa nova opção de produtos financeiros.

Motivação

Melhores Taxas                 Menores Tarifas             

Disponibilidade de crédito

 

51,9%

51,5%

Agilidade da operação

 

35,3%

41,7%

Fonte: pesquisa FIESP/PRICE

Considera-se uma operação, tipo “ganha-ganha”, ou seja, não existe um vencedor e um perdedor. Nesta alternativa, as taxas da obtenção de crédito e das tarifas cobradas são menores tanto para quem oferece como para quem toma crédito. Os dois participantes ficam contentes com a operação.

A pesquisa mostrou que as indústrias não enxergam desvantagens a ponto de não realizar a operação, mas possuem falta de conhecimento sobre as fintechs. O Banco Central do Brasil, vem gradualmente regulamentando a atuação das fintechs, criando oportunidades para novos operadores entrarem nesse mercado fortemente oligopolizado por cinco instituições financeiras.

De um lado, os clientes buscam novas experiências sem burocracia e com mais satisfação, por outro, existe um “gap” entre o que é oferecido e o que as empresas desejam e o “jogo” começa a ser jogado com regras cada vez mais claras.

Talvez em algum momento, possamos copiar o modelo inglês, segundo o qual, desde 2016, uma instituição financeira tradicional que recusar a dar crédito para uma empresa é obrigada a oferecer essa opção a uma fintech e vice-versa.

As oportunidades estão aí, existem segundo a Associação, somente 442 (quatrocentos e quarenta e duas) fintechs no Brasil, com destaque para 105 (cento e cinco) com foco em meios de pagamento, 70 (setenta) em produtos financeiros, 70 (setenta) oferecendo crédito e 37 (trinta e sete) operando com produtos na área de seguros.

As empresas brasileiras a seguir podem despertar seu interesse: NEXOOS, IOUU, TRUSTHUB, YUBB, BIVA, TARION-BECK, ADIANTA, NOTA REGISTRADA, QUREO QUITAT, CONTA UM, MEU CÂMBIO, MAGNETIS, STONE, KAVOD, CONTA AZUL, confira…

Prof. Jose Eduardo Amato Balian

Coordenador da Incubadora de Negócios da ESPM SP

Comentários estão desabilitados para essa publicação